Saúde

Ministério da Saúde pede à Anvisa liberação para autoteste de Covid


Autoteste de antígeno é o mesmo oferecido hoje nas farmácias, onde há alta demanda, devido ao aumento no número de casos

O Ministério da Saúde informou ter encaminhado nesta quinta-feira (13) à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) uma nota técnica com pedido de autorização dos autotestes para diagnóstico de Covid-19. A solicitação oficial ocorre após a busca por exames ter disparado diante da disseminação da variante Ômicron.

Em sua nota técnica, a pasta justifica a solicitação argumentando que, no contexto pandêmico atual, com a circulação de novas variantes, em especial da Ômicron, com maior potencial de transmissibilidade da doença, a procura por diagnóstico tem aumentado de forma exponencial, e há grande demanda por testes rápidos na rede assistencial de saúde. 

“A autotestagem é uma estratégia adicional para prevenir e interromper a cadeia de transmissão da Covid-19, juntamente com a vacinação, o uso de máscara e o distanciamento social. Os autotestes podem ser realizados em casa ou em qualquer lugar, são fáceis de usar e produzem resultados rápidos”, conclui a nota.

Nesta quarta-feira (12), o ministro Marcelo Queiroga falou sobre a necessidade de garantir que os diagnósticos positivos da doença sejam informados às autoridades sanitárias, a fim de cumprir com a notificação compulsória.

Por determinação da Anvisa, no Brasil não é permitida a venda de exames de antígeno para serem feitos em casa. Apenas as farmácias realizam o procedimento. Com uma sensibilidade considerada alta, o exame se dá por meio da coleta de material do nariz com um cotonete ou por saliva. O autoteste, porém, tem sensibilidade menor que a de outros exames (como o PCR) e está sujeito a erro por parte do paciente não treinado.

O autoteste de antígeno é o mesmo oferecido hoje nas farmácias, que têm registrado uma demanda alta com o aumento de casos desde o fim do ano passado. Em países como os Estados Unidos e a Inglaterra, ele é vendido para que as pessoas o tenham em casa.

Na Inglaterra, por exemplo, o governo disponibiliza gratuitamente o autoteste e o envia para a casa das pessoas. Algumas escolas do país exigem que, no período das aulas, os pais façam o teste nas crianças algumas vezes durante a semana.

O ministério avalia que ter o autoteste em casa pode ajudar mais gente a testar, mas que ele não tem a mesma eficácia do diagnóstico feito por profissionais de saúde. “A mensagem é que o autoteste é uma ferramenta de apoio e não substitui o diagnóstico do profissional de saúde. A pessoa deve fazer o teste e, caso esteja com sintomas, deve ir ao posto de saúde ou hospital para se certificar do diagnóstico”, afirmou o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, no início desta semana.

Sem registro no sistema

A Anvisa informou que, até o momento, não registrou em seu sistema o recebimento da nota técnica do Ministério da Saúde. 

Revalida abre inscrições no dia 17 de janeiro
Saúde

Revalida abre inscrições no dia 17 de janeiro

CESC aprova direito ao teste de fissura labiopalatal em recém-nascidos
Saúde

CESC aprova direito ao teste de fissura labiopalatal em recém-nascidos

Caixa paga Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 8
Saúde

Caixa paga Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 8

Atualmente não há comentários.