Notícias

Paulo Octávio é condenado por improbidade e deve pagar R$ 11,6 milhões


A 6ª Vara da Fazenda Pública do DF condenou o ex-vice-governador Paulo Octávio no caso de supostas irregularidades envolvendo o JK Shopping

O ex-vice-governador do Distrito Federal Paulo Octávio foi condenado por improbidade administrativa no caso em que é acusado pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) de cometer irregularidades envolvendo a construção e a liberação de funcionamento do JK Shopping. O caso foi apurado na Operação Átrio.

Na sentença publicada na terça-feira (11/1), a 6ª Vara da Fazenda Pública do DF condenou Paulo Octávio e sua empresa Paulo Octávio Empreendimentos Imobiliários Ltda. à suspensão dos direitos políticos por 10 anos. Eles devem pagar, em conjunto, R$ 10 milhões em reparação do dano coletivo. Cada um também deve desembolsar multa civil de R$ 1,6 milhão.

A juíza Sandra Cristina Candeira da Silva escreveu, na decisão, que Paulo Octávio “requereu a aprovação de projeto de arquitetura irregular e não atendeu às exigências previstas para a aprovação, especialmente o pagamento de Onalt [Outorga Onerosa de Alteração de Uso]”.

Segundo a juíza, o ex-vice-governador “passou a exercer influência com ares de hierarquia inconcebível sobre o administrador regional de Taguatinga, tudo para que contornasse junto aos órgãos públicos, especialmente ao Detran-DF, as exigências administrativas que se fizeram pelo relatório de impacto de trânsito emitido posteriormente ao alvará de construção”.

A magistrada acolheu parcialmente a acusação do MPDFT de condenar o ex-vice-governador e outros três réus: o ex-administrador de Taguatinga Carlos Alberto Jales, o ex-consultor jurídico do GDF Paulo Machado Guimarães e o espólio de Guilherme Hamu Antunes, que comandava o Diário Oficial do DF (DODF).

O outro lado

Em nota, a defesa de Paulo Octávio e da Paulo Octávio Investimentos Imobiliários Ltda. disse que “recebeu com surpresa a sentença que, em claro descompasso com a prova dos autos e desconsiderando as recentes alterações legislativas introduzidas pela Lei nº 14.230/2021, julgou procedente a ação de improbidade administrativa referente a pretensas e inexistentes irregularidades no empreendimento JK Shopping & Tower”.

Os advogados Marcos Jorge Caldas Pereira e Tadeu Rabelo Pereira informaram que vão recorrer da sentença, “certos de que a instância superior reconhecerá a total improcedência da demanda”.

“Importante destacar, ademais, que todos os questionamentos alusivos ao licenciamento do JK Shopping & Tower foram apreciados e superados pelo juízo da Vara de Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Fundiário do Distrito Federal, encerrando a controvérsia por meio de iniciativa consensual”, assinalaram.

Os advogados disseram que o Shopping JK “atende todas as exigências impostas pelos órgãos competentes, tendo passado por rigoroso processo de fiscalização e recebido os mais variados prêmios, incluindo o Martes Imobiliário 2015, que evidenciam o seu grau de excelência”.

A coluna não conseguiu contato com a defesa dos demais réus, mas o espaço permanece aberto para eventuais manifestações.

Goiás vai mapear áreas de risco no ecoturismo para evitar acidentes
Notícias

Goiás vai mapear áreas de risco no ecoturismo para evitar acidentes

Comissão aprova condição para isentar caminhoneiro que transportar madeira irregular
Notícias

Comissão aprova condição para isentar caminhoneiro que transportar madeira irregular

Comissão aprova redução de tributos na aquisição de cadeiras de rodas
Notícias

Comissão aprova redução de tributos na aquisição de cadeiras de rodas

Atualmente não há comentários.